Programa Betosala: trabalhando em parceria com negócios congoleses

Na costa da República do Congo, a primeira fase do projeto Moho Nord entrou em operação no quarto trimestre de 2015. Para as empresas locais, Moho Nord é uma grande oportunidade de crescimento. Para ajudar essas empresas a aproveitarem ao máximo esta chance, a Total implementou o programa de acompanhamento “Betosala” nome que deriva da expressão beto sala kintuadi, que significa "vamos trabalhar juntos" na língua Kituba.

  • CENTRAL PROOF BETOSALA 1 PT_BR

    Empresa de projeto e engenharia CAP/CAD.
    Projeto de engenharia e execução de empreendimentos.

  • CENTRAL PROOF BETOSALA  2 PT_BR

    Reunião gerencial.
    Análise do progresso de projetos e empreendimentos de engenharia.

  • CENTRAL PROOF BETOSALA 6 PT_BR

    Bancada de teste de equipamentos.
    Experiência dedicada na preparação, testes e montagem de equipamentos elétricos antes da instalação.

  • central-proof-betosala-9_PT_BR

    Chegada do Manifold M12 no porto ILOGS.

  • central-proof-betosala-10_PT_BR

    Início da reforma na sede TEPC Poincaré pela CHAPET.

  • central-proof-betosala-11_PT_BR

    Fabricação de alguns equipamentos para FPU pela PONTICELLI.

  • central-proof-betosala-12_PT_BR

    Fabricação de bases submarinas no pátio de Boscongo.

  • central-proof-betosala-13_PT_BR

    Moho Bilondo, início da campanha de perfuração em Tungsten Explorer.

Seguinte Prev
  • CENTRAL PROOF BETOSALA 1 PT_BR
  • CENTRAL PROOF BETOSALA  2 PT_BR
  • CENTRAL PROOF BETOSALA 6 PT_BR
  • central-proof-betosala-9_PT_BR
  • central-proof-betosala-10_PT_BR
  • central-proof-betosala-11_PT_BR
  • central-proof-betosala-12_PT_BR
  • central-proof-betosala-13_PT_BR

Uma visão inovadora do conteúdo local

Patrick Pouyanné, CEO da Total: “Nós temos responsabilidades sociais. A Total não pode ser um grupo bem-sucedido a nível mundial [...] e não respeitar o pacto social da empresa. Além dos nossos funcionários, precisamos nos preocupar também com o impacto das nossas decisões para as PMEs à nossa volta.” (Jornal Le Monde, 31/01/2015)

O programa Betosola demonstra esse compromisso ao ajudar as pequenas e médias empresas (PMEs) a alcançarem os níveis exigidos pelo Grupo Total em relação a qualidade, segurança, respeito ao meio ambiante e gestão adiministrativa. Assim, essas PMEs congolesas terão, não apenas a oportunidade de trabalhar com a Total, mas também de tornar suas atividades mais diversificadas e sustentáveis.

É uma forma inovadora pensar o conteúdo local, que normalmente é limitado ao período de duração dos projetos.

Uma colaboração enriquecedora para as PMEs

O programa compreende quatro etapas:

  1. A identificação de empresas locais com potencial de crescimento, nas áreas definidas como prioritárias pela Total no Congo.
     
  2. A seleção das empresas.
     
  3. É oferecido às empresas selecionadas um programa de acompanhamento adaptado às suas necessidades, incluindo orientação e treinamentos, sensibilização às exigências de cada uma das profissões, treinamento para a implementação de normas... O objetivo é dar a elas os recursos necessários para vencer os processos de licitação da Total – ou de outras grandes empresas – no Congo.
     
  4. O acompanhamento das empresas locais que vençam licitações realizadas pela Total para que elas possam prestar serviços alinhados aos critérios da filial.

Trabalhar com empresas internacionais dispostas a "orientá-las" estimula o desenvolvimento das empresas locais. Por isso, no Congo, a Total planeja incentivar os seus próprios parceiros — outras companhias internacionais que participam do projeto Moho Nord — a estabelecer programas similares de capacitação e a trabalhar com os pequenos negócios congoleses.

Num país onde as receitas orçamentárias dependem cerca de 75% do setor de petróleo, a diversificação da economia e a criação de empregos locais representam, atualmente, os dois maiores desafios do Programa de Apoio à Diversificação Econômica (PADE). Por meio do programa Betosala, a Total está contribuindo para a realização do PADE. No âmbito do PADE, as empresas congolesas se beneficiam de formações técnicas que lhes proporcionam novas qualificações e/ou certificações. 

Compartilhe este projeto