21/12/2016 - Notícias

Total e Petrobras implementam Aliança Estratégica com assinatura de novos acordos e parceria no pré-sal

A Total e a Petrobras assinaram hoje um Acordo Geral de Colaboração (Assets Package Agreement) no âmbito da aliança estratégica anunciada em outubro de 2016. Esse acordo reforça a relação de parceria e cooperação entre as duas empresas, nos segmentos de Upstream e Downstream, incluindo operações, pesquisa e tecnologia.

No segmento de Upstream, as duas empresas irão reforçar substancialmente sua cooperação técnica, incluindo avaliações conjuntas do potencial exploratório de áreas estratégicas no Brasil e o desenvolvimento de novas tecnologias.

A Total será parceira da Petrobras em dois ativos de alto potencial no pré-sal da Bacia de Santos: o BM-S-11, com os campos da concessão de Iara que atualmente encontram-se fase de desenvolvimento da produção, através da aquisição de uma participação de 22,5% da Petrobras, e o BM-S-9, com o campo de Lapa, que acaba de entrar em produção, através da aquisição de uma participação de 35% da Petrobras e transferência da operação para a Total. As duas empresas irão reunir sua experiência internacionalmente reconhecida em águas profundas a fim de desenvolver em conjunto soluções para sistemas submarinos, reservatórios com elevada presença de CO2 e gerenciamento de dados de geociências. A Total também oferecerá à Petrobras a opção de assumir 20% de participação no Bloco 2, em águas profundas da área de Perdido Belt, ativo recém-adquirido pela Total no México.

No segmento de Downstream, a Total vai compartilhar com a Petrobras sua experiência mundial ao ingressar no mercado integrado de gás e energia brasileiro. As empresas acordaram o compartilhamento do uso do terminal de regaseificação de GNL da Bahia e a aquisição de 50% de participação pela Total em duas térmicas localizadas na Bahia, assim como o uso da capacidade de transporte dos gasodutos que permitirá à Total fornecer gás às duas plantas de cogeração.

Após a assinatura, o Chairman e CEO da Total, Patrick Pouyanné, afirmou: “Estou muito satisfeito em ver a concretização da nossa aliança estratégica com a Petrobras. Esses acordos irão reforçar a posição da Total no Brasil com a entrada em ativos de excelente potencial no pré-sal e na promissora cadeia de gás do país. Tenho confiança de que as duas empresas terão grande capacidade de geração de valor, compartilhando seu conhecimento técnico, elevando a excelência operacional e otimizando custos”.

Pelos termos do acordo, a aquisição pela Total das participações nos ativos de Upstream e Downstream da Petrobras no Brasil tem valor global estimado de US$ 2,2 bilhões, incluindo entrada de caixa à vista, carrego de investimentos e pagamentos contingentes. A assinatura dos contratos de compra e venda (Sale and Purchase Agreements) referentes aos ativos deste acordo está sujeita às aprovações dos órgãos de controle e fiscalizadores externos e, no caso de Iara, ao potencial direito de preferência dos atuais parceiros do ativo.

Total e Petrobras
    
Atualmente, a Petrobras e a Total são parceiras em 19 consórcios  de exploração e produção, sendo nove no Brasil e seis no exterior. No Brasil, são parceiras na área de Libra, primeiro contrato pelo regime de partilha de produção, localizada no pré-sal da Bacia de Santos. No exterior, são parceiras no campo de Chinook, no Golfo do México nos EUA, no campo de águas profundas Akpo, na Nigéria, e nos campos de gás de San Alberto e San Antonio/Itau, na Bolívia, além de serem sócias no gasoduto Bolívia-Brasil.

Total no Brasil

A Total está presente há mais de 40 anos (desde 1975), emprega 2.500 pessoas e opera através de cinco subsidiárias nos segmentos de Exploração e Produção; Gás; Lubrificantes; Químicos; e Energia Renovável (solar e biocombustível). Em 2013, ampliou sua presença no País com a aquisição de 11 blocos exploratórios, incluindo a participação no campo de Libra, e atualmente possui um amplo portfólio de E&P composto por 17 blocos exploratórios marítimos. Com esse portfólio diversificado e integrado, a Total reafirma o seu compromisso de longo prazo com o Brasil e a importância do País para a sua estratégia global de crescimento.