Utilizamos cookies para personalizar conteúdo, analisar nosso tráfego e recursos de mídias sociais. Nós também compartilhamos as informações sobre o seu uso no nosso site com os nossos parceiros de mídias sociais e de dados analíticos que podem combiná-las com outras informações que você fornece a eles ou que foram coletadas através do uso que você faz de seus serviços.
Aceitar tudo
Personalizar
Please check an answer for every question.
Deny all
Accept all
We use cookies to personalise content, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use on our site with our socal media and analytics partners who may combine it with other information that you've provided to them or that they've collected from your use of their services.

04/01/2017 Notícias

Total inicia mobilização operacional para atividade de pesquisa exploratória de petróleo na Bacia da Foz do Amazonas

Esta semana a Total E&P do Brasil recebeu no Porto de Belém (PA) os primeiros equipamentos que serão utilizados durante a atividade de perfuração de poços de pesquisa exploratória de petróleo que a empresa prevê realizar na Bacia da Foz do Amazonas a partir deste ano. A chegada dos equipamentos marca o início da mobilização operacional da Total na região.

A Total aguarda a emissão da licença ambiental pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), órgão responsável pelo licenciamento da atividade, para iniciar a perfuração de poços nos blocos que a empresa opera na Bacia da Foz do Amazonas. Até a emissão da licença, os equipamentos recebidos, como tubos de perfuração, brocas e containers, ficarão armazenados no Porto de Belém.

Em dezembro de 2016, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou a prorrogação do primeiro período exploratório dos cinco blocos operados pela Total na Bacia da Foz do Amazonas. A empresa terá, então, prazo de mais dois anos, até 2020, para a realização da primeira etapa de perfuração de poços de pesquisa exploratória de petróleo. O maior tempo hábil para analisar detalhadamente os dados obtidos durante a pesquisa é fundamental para aumentar a chance de sucesso exploratório na região.

Sobre o empreendimento

Em maio de 2013, durante a 11ª Rodada de Licitações de Blocos para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural no Brasil organizada pela ANP, a Total E&P do Brasil adquiriu concessão para realizar atividades de pesquisa exploratória nos blocos FZA-M-57, FZA-M-86, FZA-M-88, FZA-M-125 e FZA-M-127, na Bacia da Foz do Amazonas.

Após a aquisição, a empresa iniciou o processo de licenciamento ambiental junto ao Ibama, para a perfuração de até nove poços de pesquisa nesses blocos. Foram apresentados para análise do Ibama o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do empreendimento e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). Durante esta fase de avaliação, o Ibama emitiu pareceres técnicos, foram realizadas três audiências públicas (em julho de 2016) e, ao final da análise do processo, será emitido um parecer indicando se o empreendimento é ambientalmente viável ou não. Em caso positivo, será emitida a licença ambiental que permite o início das atividades.

A Total prevê iniciar as atividades de perfuração de poços de pesquisa exploratória de petróleo em 2017. Os poços serão perfurados em águas ultraprofundas, a mais de 1.900m de profundidade e a uma distância entre 120 e 188 km da costa do município do Oiapoque, no estado do Amapá. O objetivo da atividade é identificar e avaliar a existência de reservas de petróleo e/ou gás na área dos blocos. A partir da avaliação dos poços, outras atividades poderão ocorrer futuramente na área, sujeitas também a ações de licenciamento ambiental junto ao Ibama.